Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

(Des)Encontros [10-01-007]

No decorrer deste mistério que é a vida, muitas vezes sucede que nos sintamos caminhar na direcção contrária... Na direcção contrária aos nossos princípios, aos nossos valores e mesmo às nossas vontades.

A verdade é que, na realidade pensamos e sentimos que estamos a ir na direcção certa, sentimos que o que fazemos é o que queremos, e culpamos os outros de não serem aquilo que desejámos que fossem, o que idealizamos e, posteriormente, acreditámos que fossem...

Agimos... e depois pensamos, ao invés do contrário, do correcto.
E a isso chamo desencontros.

Desencontros daquilo que somos com aquilo que pensamos ser; desencontros da nossa essência com a imagem que assumimos...

E desses desencontros fazemos amizades, criamos interesses, mas todos trocados. As pessoas acabam por rodear-nos apreciando aquilo que parecemos ser... acabam por não nos conhecer realmente... e acabam por querer de nós o que não lhes queremos dar, e por não nos dar o que realmente queremos.

Desencontros puros e concretos... desencontros de vontades e de disponibilidades... desencontros nascidos do sonho, da idealização, da busca do que não existe... desencontros que criamos para nós próprios e que apenas nós podemos “desmascarar”, “denunciar” e “abolir”... Desencontros que aparentemente nos fazem felizes... e nos fazem sentir bem... contudo... logo percebemos que se trata de uma felicidade pobre, sem raízes, do momento... que rapidamente desaparece. E por isso mesmo, lhes chamo desencontros...

Desencontros do querer com o fazer... da ansiedade com a aparência... da realidade com a verdade... Desencontros cruéis, espontâneos, poderosos, influentes, e muito marcantes...
Desencontros que ao fim e ao cabo não passam de encontros de vontades diferentes, de medos diferentes, de pensamentos diferentes que acabam por se fundir e dar origem a momentos aparentes de sintonia... e só depois, depois... depois é que se pensa e se analisa e se reflecte e se percebe que nada havia de comum – foi apenas mais um desencontro.

Um desencontro malvado que só faz sofrer e identificar a dificuldade que temos em entender os nossos próprios pensamentos, as nossas próprias vontades e a maneira como ansiosamente organizamos as nossas acções de modo a que tudo bata certo...

E nada está certo... tudo está fora do sítio... e tudo nos traz conflitos porque nada é feito como deve ser... e como deve ser significa: como os nossos princípios e os nossos valores mandam... como deve ser significa: ver o que realmente sentimos e pensamos e só depois agir...significa: elevar a pureza dos nossos sentimentos e a clareza dos nossos pensamentos de modo a fazermos aquilo que queremos na verdade e que, por isso mesmo, nos faz bem...

Mas a vida é mesmo assim... temos o instinto da sobrevivência – de decidir no momento o que fazer, porque, no momento, é o que nos fará “sobreviver”... E no fim de contas, o problema é mesmo esse: sobreviver para aferir mais um desencontro...


sentido por Anjo da Noite às 00:13
link do post | comentar | favorito
|

Anjo da Noite


ver perfil

seguir perfil

. 6 seguidores

pesquisar aqui

 

Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sinto...

Porque sim..

Fim do Infinito

Noite vazia

O sonho comanda a vida......

...

Não tenho.

Viver... porquê?

Senti...

Outubro 2011

Junho 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Dezembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Junho 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links